Saturday, May 05, 2007

ali, bem ali. uma mulher chorava na seçao de queijos do supermercado. aconteceu de repente. tentei entender o que estava fora do meu alcance. nao consegui. entre camamberts, comtes e chevres, ela chorava sem desespero. aquela luz branca e o frio das prateleiras nao tornava a situaçao muito intima, senti-me perto dela assim mesmo. sem pensar, agarrei uma mussarella. ela nao escolheu nada e desapareceu. meus passos seguiram lentos entre as filas de chocolate, leite, carne, preços e pessoas invisiveis. pesei os legumes. no caixa nao havia ninguém, apenas uma màquina eletrônica com voz de mulher. paguei e joguei tudo em sacos plàsticos vazios. andei até casa sem pensar na senha do meu cartao de crédito.

2 comments:

Dado said...

Vim no avião ontem e uma mulher chorava. Mariana me disse, ela é igual a mim "chora lendo livro". Eu pensei que alguéns têm que soltar o líquido que os outros guardam para si. Melhor assim

clara said...

ao modo delas surge o jeitinho de tudo fluir