Sunday, October 04, 2009

de volta às origens. aqui. em pensamentos vacilantes. é estranho. reconheço o que está a minha volta e reconheço a mim. é estranho. reconheço que já não sou isto. reconheço o que fui e da onde venho. identifico as pessoas e lugares, as tensões e contrações. é estranho. sou daqui e já não sou. fui embora sem sair e voltei sem chegar. estranhíssimo. os lugares comuns, a propriedade privada, a naturalidade do inaceitável. estou vivo, vejo as diferenças entre o outro e eu, entre eu e eu mesmo, entre o outro do outro do outro. reviro as situações, encontro o extra no ordinário. sinto falta. e tanto desejo, e tanta ausência. na batalha entre o possível e o impossível. lutando contra a violência. e vejo a morte, as mortes, insignificantes. e a pobreza e a miséria, de espírito, da vontade, do ser. vejo o tempo agindo, destruindo o futuro. mas não, é mais difícil construir, resistir, vencendo. nascer e ser, adiante, tudo o que foi e que será.

3 comments:

Bernardo Jurema said...

putz! te entendo demais, joão!
bela reflexão que capta mt bem essa malaise (?) de nós, emigrantes.
valeu!

abarção!saudades!

Bruma said...

Gosto de te ver lutar. Um abraço.

Dado said...

Não tinha visto antes. Lindo!